Noite de São João

Vicente Clemente

29/08/13 - 21:10

Diz o folclore que nas noites de São João acontecem coisas miraculosas e não foi diferente nessa noite mágica de 24 de junho de 2.010.

A Câmara Municipal de Juiz de Fora estava engalanada e o auditório da Casa Legislativa de Juiz de Fora repleta de um grupo seleto de convidados.

Era a noite especial para homenagear um cidadão juizforano escolhido que fora pelos seus méritos junto à sua comunidade, com o título de CIDADÃO BENEMÉRITO DE JUIZ DE FORA.

Há dias tal data fora comunicada ao homenageado, que tratou de distribuir os convites que o Cerimonial da Câmara lhe havia destinado, para as mais diversas comunidades que faziam parte do dia-a-dia dele.

Com o coração acelerado e as mãos geladas, VICENTE DE PAULO CLEMENTE,

um descendente de alemães da 3ª geração da família Clemens, “aquele menino da Borboleta”, ouviu seu nome ser anunciado no recinto do auditório da Câmara de Vereadores, adentrando em seguida, vindo de uma ante-sala onde aguardara por um breve período, ladeado por dois vereadores, Isauro Calais e Antonio Martins (Tico-tico) e se dirigindo ao lugar de honra, ao lado do Presidente da Casa, Vereador Bruno Siqueira, que se levantou para cumprimentá-lo.

A mesa diretora dos trabalhos já estava completa, com seus membros assim distribuídos:

- Profª Creusa Cavalcanti França (Academia Juizforana de Letras)

- Iverson Morandi de Oliveira (Presid. da Assoc.Cult.Recr.Brasil/Alemanha)

- Dr. Márcio de Oliveira (Conselheiro Estadual da OABMG)

- Francisco de Assis Evangelista (Vereador Secretário da Câmara)

- Maria Aparecida Fontes Cal (Diretora do Legislativo)

- Bruno Siqueira (Presidente do Legislativo Municipal)

- Vicente de Paulo Clemente (homenageado)

- José Tarcísio Furtado (Vereador e médico, proponente do Título)

Com o auditório lotado, o que aconteceu em seguida foi excepcional e agradou a todos:

a) O Hino Nacional, que todos cantaram e se postaram em sinal de respeito;

b) O Hino da cidade de Juiz de Fora, da mesma forma;

c) Apresentação de dois números de danças pelos rapazes e moças do Grupo Heimveh – Schmetterling da ACRBA, que arrancou aplausos entusiastas dos presentes;

d) A leitura do processo e da lei promulgada pela Prefeitura Municipal, que recebeu o nº 12031/2010, pelo Secretário da Casa, Vereador Chico Evangelista;

e) A ode ao homenageado, pelo Vereador Dr. Tarcísio, que relembrou da imigração alemã em Juiz de Fora, que foi objeto dos estudos e do livro “Os Alemães e a Borboleta”, de autoria de Vicente Clemente e um breve relato da trajetória do homenageado...

f) Finalmente o emocionado discurso de agradecimento de Vicente, que inclusive cantou um pedaço da música de Pelé e Moacyr Franco, “Sozinho não sou ninguém”, agradecendo primeiramente a Deus e a presença de todos seus amigos e parentes, naquele recinto.

g) A entrega do título de cidadão benemérito, um diploma assinado pelo Presidente da Câmara Municipal de Juiz de Fora, Bruno Siqueira e do Prefeito Municipal, Custódio Mattos e mais uma peça emblemática da Câmara Municipal, pelos Vereadores, Dr. Tarcísio e Antonio Martins, respectivamente, encerrou oficialmente a cerimônia.

Seguiram-se os cumprimentos das autoridades presentes e dos amigos, que perfilados, aguardaram o momento de abraçar aquele que no seu “estilo mineiro de ser” levou a história da Borboleta, de Juiz de Fora e dos imigrantes alemães pelo mundo afora.

Realmente, aquela noite de 24/06/2010, uma fria noite de São João, foi MÁGICA e especial para muitos e especialmente para aquele “menino da Borboleta”, o 5º dos sete filhos do casal Antonia e Valentim Clemente.